Seminário Internacional

Instagram do evento

Assista no YOUTUBE: https://www.youtube.com/watch?v=mXWQl7oc45U

CONFERÊNCIAS

Conferência de Abertura: Quando as mulheres morrem…-

Débora Diniz (UnB)

Dia 20/10 – De 19h às 21h

Conferência de Encerramento: Temporalidades críticas do luto agonístico

Athena Athanasiou (Panteion University)

Dia 29/10 – De 14h às 16h (8:00 pm/Athens)

______________________________

MESAS DE DEBATES

Rituais Funerários e Pandemia

Dia 25/10 – De 9h às 12h (2:00 pm/Paris)

Gaëlle Clavandier (Université de Saint Étienne/ Co-Funeraire Project)

Elisabeth Anstett (CNRS/ Transfuneraire Project)

Silvia Guimaraes (UnB-DAN)  

Pandemia e gestão das mortes nas prisões

Dia 27/10 – De 9h às 12h

Camila Prando (UnB/Infovírus)

Fabio Mallart (UERJ)

Fábio Araújo (Fiocruz)

Eveline Duarte (Agenda Nacional pelo Desencarceramento/DF)  

Pandemia e modos de produção de memória e luto

Dia 26/10 – De 15h às 18h

Edward Paulino (CUNY University)

Marcia Esparza (Historical Memory Project/USA)

Carla Rodrigues (UFRJ) 

Simone Rodrigues (UnB)

____________________________

OFICINAS

Sociologia da Execução da Pena – Rafael Godoi (USP)
Desde os primeiros momentos da pandemia do novo coronavírus, a prisão se constituiu como objeto de preocupação, já que as condições de confinamento que prevalecem no país – como superlotação, falta de ventilação, escassez de água, ausência de assistência médica, entre outras – convertem o espaço carcerário em óbvio foco de contágio. As medidas adotadas para redução dos impactos da pandemia no sistema prisional acabaram por aprofundar o isolamento das pessoas privadas de liberdade e por promover a desinformação sobre as reais condições sanitárias dessa população. O sistema de justiça contribuiu para o agravamento desse quadro ao adotar medidas de desencarceramento erráticas e insuficientes, à contrapelo das recomendações do CNJ e das autoridades sanitárias. Entendendo que tal postura inerte se ancora em disposições historicamente consolidadas; entendendo também que a pandemia vem aprofundar uma situação crítica que lhe antecede, o minicurso de “Sociologia da Execução da Pena” do Seminário “Gestão da Morte e Modos de Produção de Memória na Pandemia do Novo Coronavírus” visa a produção coletiva de um olhar sociológico abrangente sobre a execução penal no Brasil para, em seguida, explorar suas implicações nas dinâmicas de adoecimento e morte que tem lugar nas prisões do  país, com particular atenção para o período pandêmico.

Dia 21/10 – de 15h às 18h

Dia 22/10 – de 9h às 12h

Reflexões sobre Memória e Luto – Georgete Medleg (UnB) e Simone Rodrigues (UnB)

Os conceitos de memória. Memória individual e coletiva. História e memória. Memória e esquecimento. Locais e meios de memória. Sítios de consciência: preservação e ativação de memórias. Memória, luto e pandemias.

Dia 21/10 – De 9h às 12h

Dia 22/10 – De 15h às 18h

Antropologia dos Mortos – Flávia Medeiros (UFSC)

Nesse mini-curso iremos cotejar o debate acadêmico contemporâneo sobre políticas de gestão de mortes e produção de mortos, a partir do ponto de vista etnográfico. Para tanto, se abordará uma perspectiva analítica que desde o aporte teórico-metodológico da Antropologia possibilite observar o tratamento dedicado aos mortos, considerando como se dá a gestão de mortes e como tais envolvem uma série de instituições e operadores estatais, bem como elaboram processos sociais e políticos vinculados à vida social dos mortos. Nesse sentido, serão também discutidas estratégias de sobrevivência e resistência à morte e de produção de memória, ressignificação e reparação em nome dos mortos que são acionadas por seus sobreviventes e repercutidas por meio de organizações, movimentos e mobilizações no espaço público.

Dia 28/10 – De 15 às 18h

Dia 29/10 – De 9h às 12h

____________________________________________________________

Facebook do evento

Formulário de inscrição gratuita para o evento